A gênese do processo fotográfico, a luz. O fotógrafo Miguel Chikaoka trabalha conhecimentos sobre a técnica e a história da fotografia na oficina “De Olhos Vendados”, que inscreve até o dia 25 de fevereiro, na galeria Kamara Ko Galeria, para atividades que ocorrerão entre 09 de março e 13 de maio. O grupo é convidado ao “exercício do pensamento crítico-criativo sobre a essência do que permeia o fazer fotográfico”, diz Chikaoka.

A oficina se produz em doze encontros, por meio de vivências pautadas em práticas de construção e uso de dispositivos de visualização, captura e análise de imagens, jogos e exercícios sensoriais, saídas a campo e rodas de conversa. A perspectiva da luz – suas características, propriedades e significado, é abordada em um passeio pela fotografia artesanal – como a pinhole, fotografia digital, conhecimento sobre a câmera fotográfica, fluxos de trabalhos, entre outros temas.

Mais do que resultados, o processo prioriza a poética e o experimental, neste trabalho orientado por Miguel Chikaoka, fotógrafo que reside em Belém desde a década de 80, onde idealizou os projetos de criação da Associação Fotoativa e da Agência Kamara Kó Fotografias. Natural de Registro-SP, seu trabalho dedicado ao estudo e práticas educativas é pautado em abordagens que buscam expandir os sentidos do olhar para além da fotografia.

Como artista, dedica-se à criação de obras que transitam entre imagens, instalações e objetos que tratam de questões filosóficas e políticas que norteiam seu engajamento no campo da educação e, ao longo de mais de 3 décadas, além de uma dezena de individuais, soma participações significativas em exposições no Brasil e no exterior.

Como ministrante de cursos, workshops e palestras soma uma extensa lista de convites para atuar em eventos nacionais e internacionais.

Em 2012, recebeu o Prêmio Brasil de Fotografia e a Comenda da Ordem do Mérito Cultural – MinC por sua contribuição à cultura brasileira. Em 2014, convidado pelo CdF para desenvolver um projeto no âmbito da Jornada: 10, sobre Fotografia e Educação, desenvolve o projeto “Aguas Enlazadas”, uma produção coletiva articulada com agentes multiplicadores no Brasil e no Uruguai, que resulta numa instalação no espaço Bazar na pré ocupação da nova sede do CdF. Em 2015 foi agraciado com o Prêmio Marcantonio Vilaça/Minc/Funarte.

Serviço
Oficina “De Olhos Vendados”, de Iniciação à Fotografia, com Miguel Chikaoka, com inscrições abertas até 25 de fevereiro, com atividades entre 09 de março a 13 de maio, às terças e quintas, de 19 as 21h30 + práticas de laboratório, saídas, viagens, consultas e orientações presenciais ou on line.
Na Kamara Ko Galeria, Travessa Frutuoso Guimarães, 611 (entre General Gurjão e Riachuelo). Bairro Campina. Investimento: R$ 750,00 (incluso: materiais de consumo, laboratório e scanner).

Formulário de inscrição: https://forms.gle/4AeApQ1jMAAdXcA89

Pré requisitos
Interesse, disponibilidade, câmera fotográfica e computador para prática do fluxo de trabalho (organização e tratamento de imagens digitais)
Resumo e cronogramaReferências
Pré inscrições (para entrevista): até 25 de fevereiro 2020.
Formulário de inscrição: https://forms.gle/4AeApQ1jMAAdXcA89
Período de entrevistas: 25 de fevereiro a 03 de março 2020. (agendamento no próprio formulário de inscrição)
Convocatória (aprovadxs): até 03 de março 2020
Prazo para confirmar participação: até 06 de março 2020
Inicio das atividades: dia 09 de março
Período da oficina: 09 de março a 13 de maio de 2020. (encontros regulares às terças e quintas, de 19 as 21h30 + práticas de laboratório saídas, viagens, consultas e orientações presenciais ou on line
Local: Kamara Ko Galeria (Travessa Frutuoso Guimarães, 611, bairro Campina)
Carga horária total: 48 horas
Numero de participantes: 12
Investimento: R$ 750,00 (parcelado em até 3 vezes no cartão de crédito). R$ 700,00 para pagamento à vista.
  1. AUMONT, Jacques. A Imagem. 3ª edição, Campinas: Papirus, 1999.
  2. BARBOSA, Ana Mae. A imagem no Ensino da Arte. São Paulo: Perspectiva, 1994
  3. DUARTE JR, João Francisco. O sentido dos sentidos – a educação (do) sensível. Curitiba: Criar, 2010.
  4. FLUSSER, Vilém. Ensaio Sobre a fotografia. Ed. Relógio D’água.
  5. FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta. Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2005.
  6. FONTCUBERTA, Joan. Procesos fotográficos alternativos em Fotografia: conceptos y procedimientos. Una proposta metodológica. Barcelona: Gustavo Gili, 1990.
  7. FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.
  8. FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1994.
  9. GADOTTI, Moacir. Boniteza De Um Sonho. Ensinar e Aprender Com Sentido. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009.
  10. GADOTTI, Moacir. Educação e compromisso. Campinas: Papirus, 1985.
  11. GADOTTI, Moacir. Educação Integral No Brasil. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009.
  12. GADOTTI, Moacir. Educar Para A Sustentabilidade. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009.
  13. GADOTTI, Moacir. Escola e o Professor. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009.
  14. GUIMARAES, Sergio; FREIRE, Paulo & GADOTTI, Moacir. Pedagogia – Diálogo e Conflito. São Paulo: Cortez, 2000.
  15. HEDGECOE, John. O Novo Manual De Fotografia. São Paulo: SENAC, 2010.
  16. MATURANA, H.; VERDEN-ZÖLLER, G. Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano. São Paulo: Palas Athena, 2004
  17. MONFORTE, Luiz Guimarães. Fotografia Pensante. São Paulo: SENAC, 1997.
  18. MORIN, Edgar. A Cabeça Bem-Feita, A Repensar A Reforma Reformar o Pensamento. São Paulo: Bertrand Brasil.
  19. MORIN, Edgar. Amor, Poesia, Sabedoria. São Paulo: Bertrand Brasil.
  20. OLIVARES, Ines Cozzo. Neuroaprendizagem e Inteligência Emocional. Editora: QUALITYMARK.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui