Esta greve dos funcionários que trabalham no depósito do Grupo Mateus já deveria ter a intervenção dos fiscais do Trabalho e do Ministério Público do Trabalho para apurar as graves denúncias dos grevistas, segundo as quais trabalham num ambiente insalubre, com infestação de ratos, além do atraso no pagamento de diversos benefícios trabalhistas. A situação dos empregados do poderoso grupo supermercadista já merece a ação até do Grupo contra o Trabalho Escravo da Delegacia Regional do Trabalho e Emprego. Enquanto as autoridades não se mexem o povo é quem paga o pato com o fechamento, pela segunda vez, da Augusto Montenegro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui