Enquanto os pecuaristas do Sul e Sudeste do estado têm que conviver com as invasões de suas propriedades, os do Marajó não conseguem que a Polícia contenha de uma vez por todas o furto de gado já considerado uma questão cultural. Os ladrões abatem o gado no campo, retalham as peças e mandam para vender nos bairros da periferia de Belém. Uma nova quadrilha foi presa, na semana passada, em Cachoeira do Arari.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui